Dicas para a criança e o dente de leite

 

Os pais devem saber cuidar dos dentes de seus filhos, mas infelizmente identificamos que a maioria cometem falhas, porque desconhecem o real valor dos dentes temporários, dentes decíduos ou "dente-de-leites", conforme o conhecimento do senso comum. Segue abaixo algumas informações.

Os "dentes- de- leites" devem ser cuidados ou tratados?
SIM. A população em geral tem uma falsa crença que os "dentes-de-leite" não precisam ser tratados, porque serão logo substituídos pelos permanentes. Informamos que a saúde dos dentes permanentes dependem dos cuidados com os dentes temporários, sendo que o processo de cárie passa de um dente para outro.

O "dente-de-leite" dói do mesmo modo que o dente permanente?
SIM. Os pais devem escovar os dentes das crianças com pasta de dente sem flúor (0 a 4 anos ou idade que saibam cuspir) , pelo ao menos duas vezes ao dia até que a mesma consiga escovar sozinha. Quando não há a escovação, os dentes estragam e infeccionam compromentem todo o organismo, principalmente quando a criança engole pus, os germes da inflamação entram pela corrente circulatória atacando algum orgão já debilitado, provocando uma doença sistêmica. O dente temporário quando adquire cárie pode não doer espontâneamente, ambientes externos podem aumentar a sensibilidade, principalmente quando excitado pelo frio ou pelo calor, esta pode ser uma das razões de alguns filhos ficarem com rejeição para a escovação ou reclamarem de "dor nos dentes".

Dentes "temporários" extraídos prematuramente pode provocar problemas ortodônticos?
SIM. Dentes temporários extraídos "antes do tempo", não guardam espaço para os permanentes, então surgem os problemas ortodônticos como dentes tortos, dentes muito juntos, apinhados, provocando maior acúmulo de placa bacteriana, a qual é determinante das cáries e dos problemas de gengiva.

Meios de prevenir a extração prematura dos dentes decíduos

As crianças devem ser levadas ao dentista de 6 em 6 meses para fazerem exames preventivos, podendo ser consultadas com Clínico Geral ou Odontopediatra qualificado.

Os pais não devem manifestar medo de dentista, utilizar o dentista como uma ameaça, as célebres frases como "não incomoda, senão faço o dentista te arrancar um dente", ou, "faço o doutor te dar uma injeção". Fazem crer que estas coisas são tremendamente ruins, pois são oferecidas como castigos.

Não levar a criança ao consultório, a primeira vez, quando ela está com dor. Esta é uma falta imperdoável dos pais. Uma criança que chega ao consultório com dor, obriga o profissional a nela intervir sob condições completamente adversas, em um tecido dolorido e sem a confiança do pequeno paciente. Isto pode causar um traumatismo psíquico, que será levado por toda vida.

A criança deve iniciar os exames dentários aos 3 anos e depois, periodicamente, de 6 em 6 meses. Ainda que tudo pareça normal. Assim, ficará familiarizada com o odontólogo e, este, não terá necessidade de usar intervenções imediatas, dedicando algumas sessões, apenas, para conseguir a simpatia e confiança da criança, o que é fundamentam para o tratamento dentário.

Fonte: Texto baseado no livro: Os dentes tortos de 1960.